A mora na alienação fiduciária, segundo o STJ, pode ser comprovada apenas pela demonstração do envio

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Hoje trago em minha coluna uma temática das mais polêmicas envolvendo os contratos de alienação fiduciária, pois, a 2ª seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que o mero envio de notificação extrajudicial pelo credor fiduciário ao devedor fiduciante, no endereço indicado no instrumento contratual, já basta para a comprovação da mora (REsp 1.951.662 e REsp 1.951.888), gerando importante precedente judicial.

Segundo o entendimento proferido pelo Ministro João Octavio de Noronha, seria exigida apenas a comprovação de que a notificação foi enviada ao endereço contratual por correio e recibo, sem que haja a necessidade de comprovação de recebimento pelo devedor fiduciante, o que torna ainda mais facilitado o procedimento extrajudicial previsto na lei 9.514/97, conhecida como lei da alienação fiduciária.

As razões que motivam a posição do Ministro se sustentam no fato de que o credor fiduciário não é obrigado a encontrar o novo endereço e que seria obrigação do devedor notificar o credor sobre a mudança.

A decisão da Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) pode impactar significativamente no procedimento, ao estabelecer que o simples envio de notificação extrajudicial ao devedor no endereço indicado no instrumento contratual é suficiente para comprovar o atraso nos contratos de alienação fiduciária.

Isso significa que os credores têm a chancela para tornar o procedimento extrajudicial previsto na lei mais célere do que o normal, uma vez que a notificação extrajudicial enviada para o endereço do devedor fiduciante, além de tornar a cobrança de dívidas muito mais eficaz, contribui para facilitar a consolidação da propriedade em favor do credor fiduciário.

A despeito da inquestionável eficácia tanto na cobrança de dívidas, quanto na consolidação da propriedade em favor do agente fiduciário, tem-se que tal decisão chama a atenção para os aspectos jurídicos, e, sobremaneira, para questões éticas. Pois, não há como desprezar o fato de que o referido entendimento pode contribuir para a formação de um comportamento abusivo dos agentes e credores fiduciários em relação aos devedores fiduciantes, prática repudiada pelo ordenamento jurídico.

Nunca é demais lembrar que, cabe aos credores observar os princípios de boa-fé e equidade em suas práticas de cobrança, conforme descrito no Código de Defesa do Consumidor, pois ao não agir em conformidade com a lei, a atuação pode resultar em consequências jurídicas e danos à reputação do credor.

Analisando a decisão proferida pelo STJ, não restam dúvidas de que haverá grande repercussão nas práticas de cobrança de dívidas oriundas de contratos de alienação fiduciária no Brasil, podendo até mesmo influenciar a legislação, o que por outro lado, pode vir a incentivar os devedores a adotarem medidas preventivas para evitar atrasos, e da mesma forma, manter atualizados os seus cadastros perante os credores.

No entanto, não se pode perder de vista que, muito embora a decisão em tela autorize o envio de notificação ao endereço sem a comprovação do recebimento, não há como desconsiderar que os credores devem atentar-se às implicações éticas do uso desse método, de modo a garantir um procedimento justo e leal, primando sempre pela boa-fé que deve nortear as relações jurídicas.

E-mail: debora@dcradvocacia.com.br

Tags

What do you think?